domingo, 15 de setembro de 2013

Contramão



Com 25 anos "nos côro" tenho reparado que estou meio na contra-mão do ritmo de vida que a vida (moderna) impõe. Cheguei a esta conclusão (?) observando alguns amigos. Não que eles estejam errados e não que eu esteja errado, mas tem coisas que realmente paramos pra comparar.

Exemplo... Desde 1999, quando reunia uns primos nas tardes de sábado e ficávamos "brincando de Engenheiros do Hawaii" em casa ao som do Alívio Imediato ou do 10.000 Destinos que pensei em deixar o cabelo crescer pra imitar o Humberto. Decepção à vista, meu cabelo era enrolado e não ficaria nem de perto parecido com o do HG. Hoje, enquanto alguns dos meus amigos cabeludos estão cortando os cabelos, estou caminhando para completar um ano sem cortar, assumindo os cachos que Deus me deu e já estranhando fotos com o cabelo curto.

Dizem que quando se casa engorda, no meu caso estou emagrecendo.

Mas o que mais me faz pensar é a vontade de fazer algo com minhas músicas. Banda autoral é coisa que cheira a adolescente e hoje quando a vida pede outros planos eu estou embarcando nessa. Já tive uma, a WAR, já falei dela por aqui. Hoje não tenho banda que "trabalhe" com músicas próprias apesar de já ter sido convidado pra algumas, recusei pois se tenho que me dedicar a algo de alguém, posso me dedicar a algo meu. Esse é outro ponto que me faz pensar se estou ou não na contramão. Encontrar pessoas que comprem a tua ideia, que estejam sintonizadas na mesma frequência que você e topem dar prosseguimento a uma iniciativa que a priori era individual é algo difícil, até porque as pessoas podem estar andando na mão certa da vida. Não que elas estejam erradas, não que eu esteja errado... Pelo menos nesse quesito, um amigo, fiel comentador deste blog, diga-se de passagem, aceitou depois de algumas indiretas e uma direta certeira, ser parceiro no Tocando em Frente. O formato? Não sabemos, mas descobriremos. Este jovem que se arrisca agora na contramão é o Rafael de Mesquita, ou Rafael K pra quem procurar por ele nos comentários das postagens daqui.

Bom, sei que se também não fizesse certas escolhas que, mesmo me deixando inseguro para segui-las, eu faço, ai sim eu estaria errado pois estaria em uma contramão que me indicaria que ali não seria eu.

Seguindo a lógica de que algo publicado ajuda a ter compromisso com coisas que se pretende, fica nesta postagem a vontade (e o compromisso?) de seguir um pouco na contramão da vida.

Um comentário:

  1. Rapaz, abri um sorriso não pouco tímido aqui ao ler esta citação :D E de certa forma parece ser um pouco contra mão tu me chamar pra entrar na banda, já te falei das minhas mazelas musicais hehhe
    Mas quer saber, no meio de tanta contra mão, uma sobre a outra, quem sabe uma não resulta no caminho certo?!

    Será que é assim q funciona? Será q assim funciona? Quer saber mais uma coisa. To mais pra acreditar que a gente não tem um caminho certo, uma mão certa. A gente tem várias estradas. E se não gostar delas, o caminho que vai pelas laterais, diagonais, paralelas e perpendiculares, por terra, mar,água, sonhos e dimensões, ta la pra ser trilhado também. Então bora descobrir que mão nos agrada :)

    ResponderExcluir